segunda-feira, dezembro 19, 2005

Já foi.

Já não és tão bela

Já passas desapercebido

Já não és mais cinderela

Já caiu a flecha do cupido.

Já não vales meu tempo

Já não mais te faço sambas

Já não mais me seduz.

Já preciso de outro ritmo, de outra luz.

Já não te faço poesias

Perdeste o dom de me encantar

Mal me fazes sorrir meu bem,

Já existo sem ti,

Já não mais me convém.