segunda-feira, janeiro 30, 2006

nada demais, nem ela, nem o texto.

E quando muito,
uma palavra.
Ou quando pouco,
uma expressão.
Na sua alva leveza,
nas suas minúcias.
Não te cultivo nada demais,
mas lhe acho fascinante.
mas não é nada demais, mesmo.